terça-feira, 21 de julho de 2015

As regras importantes para a produtividade

As corporações brasileiras procuram, constantemente, métodos para aumentar a eficiência dos funcionários, mas ainda investem pouco em ferramentas com este fim. O país sonha com índices de produtividade como os obtidos pelos Estados Unidos e Alemanha, porém esbarra em problemas quanto à qualidade da educação e ao acesso à tecnologia. É nesse contexto que o profissional deve sobressair-se.

Na busca por maior produção, as empresas estão de olho em quem consegue render mais com as condições disponíveis. Isso é possível seguindo algumas regras básicas – porém às vezes esquecidas – do mercado. A primeira é a mais importante: qualificação. As demais se unem para garantir um bom resultado.

Veja quais são elas:

Conhecimento

Invista no desenvolvimento pessoal. Especialize-se no que faz, aprimore as qualidades profissionais e conheça as atividades da companhia e o seu papel nela. A competência técnica é o diferencial.

Menos tempo e mais rendimento

Quem trabalha mais produz melhor, certo? Pode ser que sim. Mas, nesse caso, as chances de cometer erros também são maiores. Ao invés de sacrifício, busque eficiência. Mantenha a regularidade dos seus horários e otimize esse período.

Estabeleça prioridades

Durante o expediente, sempre irão surgir outras tarefas que não estavam entre as prioridades. No entanto, por que desperdiçar muito tempo com imprevistos? Defina o que realmente é primordial e não perca o foco com o que é menos importante, para não chegar ao final do dia com a desagradável sensação de ter feito quase nada.
dedo diagrama
Ao invés de sacrifício, busque eficiência.

Não pense, faça

Desligar o pensamento do que lhe espera no trabalho é praticamente impossível, mas com o uso de uma agenda isso pode virar realidade. Tire as obrigações da mente e coloque-as no papel. Dessa forma, estará livre para concentrar-se e com a certeza de que não vai esquecer-se de nada.

Desconecte-se das interferências

Bom desempenho é algo que exige concentração. E-mail, telefonemas e pessoas que desviam a atenção são interrupções que atrapalham. Escolha um momento para desligar-se de tudo e aproveite para trabalhar.

Pare e descanse

Um lanche, cafezinho ou uma pausa para conversar com os colegas ajudam a espairecer. Relaxar também é essencial para que a cabeça consiga pensar melhor. Além disso, discutir sobre os assuntos da empresa pode resultar em novas ideias.

Delegue e confie

Não faça o que é responsabilidade dos outros. Explique o que deve ser feito, seja claro e confie nos demais para que eles executem o que lhes foi delegado. Assim, você não acumula afazeres e fica livre para o que, de fato, é sua obrigação.

Sinta-se bem

A vida pessoal interfere no emprego. Esteja bem consigo, com a família e os amigos. Divirta-se, curta as folgas e volte com mais ânimo.
Aposte ainda em outras regras que podem ser descobertas a partir da autoavaliação profissional. Garantindo mais produtividade, conquista-se estabilidade e até novas oportunidades, além de maiores salários.

Qualidades essenciais para times de alta performance

Durante anos, foram feitas exaustivas análises e avaliações sobre os melhores times de trabalho dentro de diversas empresas. Esses levantamentos apontaram características e qualidades inerentes a estas equipes de alta performance, que podem ser incorporadas em qualquer negócio. São elas:

Metas e objetivos compartilhados por times de alta performance


Em uma equipe eficiente, todos sabem exatamente quais são suas metas e objetivos e o que o time deve alcançar, pois seus propósitos são partilhados e discutidos por todos. Cada membro da equipe dá ideias e sugestões sobre como as metas e objetivos podem ser atingidos mais facilmente, o que faz com que os colaboradores sintam-se parte de uma organização maior.

Valores e princípios essenciais em equipes de alta performance

Em times de alta performance, há discussões regulares sobre os valores, princípios e comportamentos que orientam as decisões da equipe. O líder estimula valores como honestidade, transparência, pontualidade, responsabilidade para finalizar suas atribuições e realização de trabalhos com qualidade. Todos possuem liberdade para discutir e concordar, a partir do que são em sua essência.

Planos de Ação Compartilhados por líderes e sua equipe

Na fase de construção de uma equipe de excelência, é explicado para cada membro da equipe, individualmente, sobre a execução de qual parte do trabalho ele será responsável. No final dessa conversa, todos sabem quais as atribuições de cada membro e como seu próprio trabalho está em sintonia com as ações da equipe.

Um Líder é sempre necessário para garantir o alto desempenho da equipe

Toda empresa deve possuir um chefe ou líder bem definido. Democracia é um conceito muito bom, mas não funciona no mundo dos negócios, onde é necessário que alguém esteja no comando e assuma o controle. Em uma boa equipe, todos sabem quem está no comando.

Revisão e avaliação contínua

Nessa fase, a equipe avalia regularmente a sua evolução a partir de duas perspectivas. Em primeiro lugar: o time atingiu os resultados esperados por seus clientes ou pela empresa como um todo? Ao lidar com os clientes, a equipe criou mecanismos para perguntar continuamente aos clientes: “você está satisfeito?”.

Reuniões periódicas podem garantir a alta performance da equipe

Uma das coisas mais importantes feita para construir uma organização de alta performance é realizar reuniões de equipe regulares. O time é reunido semanalmente, durante um tempo determinado, para conversar, discutir, se atualizar sobre os progressos realizados e compartilhar ideias, opiniões e percepções.

Exercício de Ação

São realizados exercícios para  elucidação dos valores, com toda a equipe. Então, de comum acordo, todos passam a viver e trabalhar pelos valores comuns

Times de alto desempenho


Em um time de alto desempenho possui um líder bem definido, todos sabem quais são suas metas e objetivos, há discussões regulares sobre os valores, princípios e comportamentos, existem planos de ação que são compartilhados com todos e são realizadas reuniões, avaliações e exercícios contínuos.....

Falta de Profissionais Qualificados no Mercado – O que Fazer?


“Há vagas, mas faltam profissionais”. Essa frase já foi dita em revistas, matérias na televisão, nos jornais e pode até mesmo ser escutada nos corredores do RH das companhias. No Brasil, há uma grande preocupação com a falta de profissionais qualificados, pessoas que buscam se aperfeiçoar não só em suas funções mas, principalmente, buscando outras habilidades que irão ajudar tanto em sua carreira quanto nas empresas em que elas irão trabalhar.


Nos últimos anos, as empresas vêm crescendo e se destacando no mercado, porém, um problema que está preocupando é a falta de profissionais, e quando falamos em profissionais, falamos não só de pessoas para preencherem vagas, e sim indivíduos qualificados para realizar certas tarefas. Tal situação atinge as companhias que acabam sendo obrigadas a pagar um valor alto, ou até mesmo aumentar os salários sem subir a produtividade. Outro problema é que, com a grande procura por pessoas mais qualificadas, a rotatividade nas empresas cresce, já que seus funcionários acabam recebendo propostas com salários (nem sempre tão mais altos) de outros locais, fazendo com que haja falhas na retenção de talentos.

Antigamente, o único requisito era que os funcionários se limitassem a saber realizar suas funções, porém, o perfil do profissional do futuro consiste em pessoas que sejam treinadas e preparadas não só para a execução de suas tarefas, mas que também sejam inteligentes e tenham outras habilidades que irão acrescentar em seu ambiente de trabalho. Saber lidar com outras pessoas e administrar situações é outro diferencial que as empresas procuram, mas nem sempre encontram.

qualificação profisional





Indivíduos precisam buscar mais qualificação para conseguirem corresponder às exigências do mercado...





A solução para as companhias é investir em seus funcionários, preparando cursos que possam ajudá-los à potencializar seus talentos e também fazer o planejamento de carreira deles, assim eles ficarão mais qualificados e a empresa não perderá tempo e dinheiro procurando por outras pessoas que talvez nem sejam suficientemente qualificadas.

Além disso, a situação deve mudar não só por parte das companhias, mas principalmente dos indivíduos que precisam buscar mais qualificação para, assim, conseguirem corresponder às exigências do mercado. Além da graduação, é de extrema importância que haja um investimento em cursos que possam ajudar no desenvolvimento de habilidades específicas, como o manuseio de novas máquinas, o domínio de línguas e também cursos de motivação que ajudarão o funcionário a lidar melhor com outras pessoas, saber liderar e ter mais facilidade para resolver problemas do dia a dia. Tal medida deve ser tomada tanto para quem está fora do mercado de trabalho quanto para quem já tem um emprego, já que o segredo para o sucesso é o aperfeiçoamento diário...

Cientistas descobrem o que faz uma pessoa ter uma atitude altruísta

  • Para os pesquisadores, generosidade aumenta quando levamos em conta pensamentos e experiências do outro
Por que alguém toma uma atitude altruísta? Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia criaram um modelo computacional para chegar à resposta. E ela é é bem simples: as pessoas são generosas quando acreditam que a necessidade do outro é maior do que a delas.

A dúvida até então era descobrir o que era mais forte na natureza humana: ser generoso ou egoísta -- e para que lado o autocontrole ou a razão pesavam: para sermos mais generosos ou mais egoístas.

O grupo chegou ao modelo após realizar uma pesquisa com 51 homens desconhecidos entre si que tiveram suas atividades cerebrais mapeadas durante uma sessão modificada do "Jogo do Ditador", também conhecido como o "jogo do ultimato". Um dos participantes recebe uma quantidade de dinheiro e poderá escolher abrir mão de uma pequena parte para que o outro ganhe uma quantidade bem maior de dinheiro. Por exemplo, um participante perdia US$ 25 para que o outro recebesse US$ 100.

As imagens dos cérebros dos participantes mostraram diferentes áreas de ativação quando algo em benefício próprio ocorria ou quando um outro voluntário era beneficiado. Em caso de interesse próprio, os pesquisadores relacionaram a área como a de recompensa, e no interesse do outro, com a de empatia. As imagens da atividade cerebral também mostraram que os mais egoístas podem até ter atos de generosidade, mas isso ocorre por um erro do participante.

"Nossos resultados indicam que as pessoas ficam mais felizes quando a generosidade não ocorre por um erro. No entanto, se pudermos aumentar o foco das pessoas nos pensamentos e experiências dos outros, podemos diminuir estes erros enquanto aumentamos as chances de práticas altruístas", disse a autora principal do estudo Cendri Hutcherson.

"O mundo dos negócios não é para amadores e menos ainda para sábios de boteco"