quarta-feira, 6 de outubro de 2010

E o homem saiu vivo…

 
“Vamos lançar a GoogleTV no final deste ano nos EUA e em 2011 pelo mundo afora”
Eric Schmidt, presidente da Google.

Para alguns setores da sociedade alemã, “Google” passou a ser uma palavra quase proibida nos últimos meses. Um sinônimo de coisas malignas, como “invasão de privacidade”, “espionagem”, “perda de liberdade” etc. Tudo por causa do Street View, aquele serviço associado ao Google Maps em que, além de localizar uma rua, você ainda consegue vê-la no exato momento em que acessa o programa. Em alguns países, não há problema se de repente um carro chega na frente da sua casa e começa a filmar o local, mesmo que o proprietário não tenha autorizado. É exatamente isso que centenas de vans da Google estão fazendo pelo mundo afora. Aqui na Alemanha, a presença desses carros está causando mais protestos do que qualquer outra coisa.

Quando anunciou-se que Eric Schmidt, presidente da Google, viria à Alemanha para o discurso de encerramento da IFA, alguns chegaram a temer pela vida do homem. Felizmente, ele entrou e saiu vivo da Messe Berlin, sede do evento. E deu seu recado: a empresa pretende mesmo dominar o mundo! Não, é claro que ele não usou essas palavras, mas foi quase isso. Vejam: “Vamos lançar a GoogleTV no final deste ano nos EUA e em 2011 pelo mundo afora”. Para os bons entendedores do mercado, isso basta: o projeto GoogleTV pretende ser uma versão ampliada do site de buscas e sua infinidade de serviços adicionais. Instalado dentro de um TV, muitas pessoas que hoje não têm o hábito de usar a internet – sim, existem milhões delas – passará a fazê-lo através do Google.

Segundo Schmidt, ao ligar seu aparelho Sony (há um acordo de exclusividade entre as duas empresas, não se sabe por quanto tempo), o telespectador será apresentado a um menu com uma barra no alto da tela e poderá iniciar a navegação por ali, usando seu controle remoto. Se quiser ver seus programas habituais, tudo bem; mas, se preferir alternativas, poderá simplesmente falar – isso mesmo, um sistema de reconhecimento de voz permitirá procurar os assuntos de seu interesse sem que ele tenha que digitar nada; aliás, se tiver um smartphone com sistema operacional Android, nem precisará do controle remoto: o próprio celular será seu acessório mais importante.

É esse o mundo que a Google nos prepara. Resta saber se tudo irá caminhar, mesmo, conforme os planos.

Fonte: Orlando Barrozo

"O mundo dos negócios não é para amadores e menos ainda para sábios de boteco"